Economia e Negócios

LEIS TRABALHISTAS

Marlos Melek fala sobre reformas trabalhistas

Palestra sobre reformas trabalhistas com Juiz Federal do Trabalho em Matelândia alertou sobre interpretações das novas Leis da CLT no Brasil, e o que ela melhorou aos trabalhadores. O evento foi organizado pela Associação Comercial.

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves

Marlos Augusto Melek palestrou em Matelândia no começo deste mês sobre as novas regras das Consolidação das Leis de Trabalho de 1943. Aos presentes na Câmara de Vereadores, o Juiz apresentou os argumentos que construíram cada artigo da lei trabalhista, o que o legislador quis dizer em cada novo ponto – que entrará em rigor a partir do dia 11 de novembro. “Cabe muitas interpretações, mas é importante que as pessoas saibam interpretar essas alterações. Eu fiz parte da equipe da redação que reescreveu os novos pontos e explano o que o legislador quis dizer com as novidades”, confirmou o Juiz do Trabalho.

O palestrante confirmou que ainda há mitos e interpretações erradas sobre as novas regras da CLT, repassadas por WhatsApp e outras redes sociais. “Dentre os pontos, há informação de que o trabalhador negociará direto com o patrão. A reforma não permite que o patrão negocie diretamente com o empregado, continuam com os sindicatos – negociando salários e condições de trabalho. Outra distorção de informação é que as pessoas trabalhariam 12 a 15 horas por dia. Pela Lei velha, a jornada é de 08 horas e 44 semanais – e pela nova, continuam as mesmas horas. E quantas horas extras pode fazer por dia? Igual na CLT antiga, duas horas por dia. O que mudou é que há muitas oportunidades ao trabalhador. Por exemplo, redução do tempo do almoço: a iniciativa deve partir do empregado. Então, se ele precisa sair antes do trabalho e diminuir tempo de almoço, ele pode, contanto que o sindicato concorde. São muitas novidades”, pontuou.

Com boa participação do público, Melek comentou das alterações da CLT, que serão aplicadas a partir de 11 de novembro

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves

LEIA POR EDITORIA

Comentários