Política

CLIMA DE ELEIÇÕES

Número de filiados em partidos bate recorde no Paraná

Crescimento médio foi de 23% em um ano. PSDB é a legenda que mais cresce no Estado.

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves

Embora indicativos apontem para descrença da população em partidos políticos e boa parte das legendas tenha sofrido desgaste nos últimos anos com escândalos de corrupção, como revelados na Operação Lava Jato, o número de cidadãos filiados a legendas partidárias cresce a cada ano. Em 2018, a quantidade de inscritos em partidos políticos no Paraná chegou ao maior número já registrado. As listas atualizadas apresentadas por partidos no dia 13 de abril ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), uma semana após o encerramento da janela partidária, mostram que o número de filiados nos 35 partidos com registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) passa de 1,3 milhão no Paraná, com crescimento médio de 23%.

A filiação partidária é um dos requisitos para a candidatura, e o postulante deve estar filiado à legenda sob a qual deseja concorrer à eleição com no mínimo seis meses de antecedência da realização do pleito, que neste ano é em 7 de outubro. Segundo o TSE, de acordo com a lista mais recente entregue à Justiça Eleitoral, o Brasil conta com 16.692.728 eleitores filiados a partidos políticos.

As desfiliações registradas têm sido compensadas em número superior de novos filiados e o este ano bateu o recorde do ano passado, quando havia pouco mais de um milhão de filiados. Os 35 partidos somam até agora 315.998 filiados a mais do que havia no mesmo período do ano passado.

Entre os responsáveis por número de filiações atípico está o Partido dos Trabalhadores (PT), que apesar da condenação e prisão em Curitiba do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, maior líder da legenda, conseguiu somar 23.886 novos filiados. Com esse crescimento de 23,4% desde o ano passado, o PT está dentro da média geral, com uma retomada positiva. No ano anterior, o PT havia contabilizado um salto negativo de 676 pessoas a menos em números comparados de 2016 para 2017. Antes disso, o PT já havia tido redução no número de correligionários em 2006, 2009, 2011 e 2015.

Entre os quatro partidos com mais filiados, no entanto, proporcionalmente, o PSDB, também com políticos envolvidos em denúncias, é o partido que mais cresce. O Estado tem 30.676 novos tucanos neste ano. O número representa um crescimento de 25,8% em um ano, sendo o único entre os quatro maiores que cresce acima da média. O PSDB tem 118.782 filiados no Paraná.

O PMDB é o partido com maior número de filiados. Embora também envolvido em escândalos de corrupção, a legenda, que no Paraná é comandada pelo senador Roberto Requião, tem um saldo positivo de 52.282 filiações neste ano. No total, o PMDB tem 240.901 filiados no Estado, quase o dobro do segundo maior partido, o PP, da governadora Cida Borghetti. Entre os maiores partidos na lista, o PMDB, com crescimento de 21%, também é a legenda que filiou mais pessoas. O PP tem 138.980 filiados e também teve crescimento, de18,7%, e conta neste ano com 26.010 novos filiados.

Especialista alerta para ‘dupla filiação’

O cientista político Emerson Urizzi Cervi, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), diz que o Paraná está mantendo a tendência do Brasil, que é crescimento dos partidos médios e dos novos partidos, mais acelerado do que os partidos tradicionais, embora ainda tenham em números absolutos o maior contingente de filiados por terem um ‘estoque’. Segundo ele, é possível considerar diversos fatores, como a média de crescimento ou a diferença entre o total de filiados e o crescimento entre os que já tinham mais filiados.

“Primeiro, é ano eleitoral. Uma parte desses filiados está se candidatando. Não é necessariamente uma preferência pelo partido, relação ideológica (como eleitor). Para ser candidato no Brasil tem que estar filiado. Até as eleições anteriores, a responsabilidade de fiscalizar a ‘dupla filiação’ era do partido, que checava antes se a pessoa estava filiada em outro partido, pedia a desfiliação e filiava até abril. Agora, com a reforma recente, isso passou a ser responsabilidade da Justiça Eleitoral. É possível que dentro desses 23% (de crescimento médio) se tenha bastante gente em dupla filiação. Dupla filiação de quem não é candidato não tem problema (para a Justiça Eleitoral). Mas o candidato com dupla filiação terá o registro cancelado. E isso a gente só vai saber em agosto (prazo final para registro de candidaturas”, exemplifica.

“Entre os partidos menores há crescimento maior no número de filiações, mas isso também é relativo, diz Emerson Cervi. “Os partidos nanicos, menores, cresceram mais que isso (23% de média). O PCO cresceu muito (de 11 para 70 filiados), mas isso é efeito do ‘baixo n’. Não dá para pegar o porcentual, temos que olhar esse valor relativo”, afirma.

 

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves

LEIA POR EDITORIA

Comentários