Política

INFRAESTRUTURA

Pedágio no Paraná completa 20 anos, mirando nos quatro restantes do contrato

Centenas de quilômetros de obras foram suprimidos dos contratos, outros muitos foram protelados para o fim da concessão e ainda há muito por fazer

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves

Na última terça-feira (14) completou duas décadas da assinatura dos contratos de concessão de rodovias que selaram o destino do Paraná. Parece exagero, mas não é. O modelo de pedágio influenciou rumos econômicos e pautou disputas políticas. As decisões tomadas em 1997, durante a licitação, continuam impactando nos dias atuais.

Sem experiência no assunto, o estado optou por um sistema bem diferente dos adotados, à época, em São Paulo e no Rio Grande do Sul. Os preços ficaram salgados, motoristas chiaram e, numa canetada, as tarifas foram reduzidas pela metade por quase dois anos. Para tentar ajustar as contas, dois aditivos de contratos tiraram da lista de obrigações das concessionárias uma quantidade enorme de obra.

O Paraná poderia ter 800 quilômetros a mais de rodovias duplicadas se o contrato original do Anel de Integração tivesse sido cumprido à risca. Algumas duplicações foram eliminadas e outras postergadas. Tanto que nos últimos quatro anos de contrato as empresas que administram rodovias no Paraná devem fazer 110 quilômetros de duplicações, sem contar contornos e terceiras faixas.

Outras obras estão em andamento e não entram no levantamento das pendências restantes, feito pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER), a pedido da Gazeta do Povo.

Um exemplo é a Rodovia do Café, na ligação entre Ponta Grossa e Apucarana. O trecho da BR-376 era para estar duplicado há muitos anos, mas parte da quilometragem foi suprimida e restante foi protelado para o fim do contrato. O trecho está em obras e deve seguir assim até 2021. Contudo, nem mesmo daqui a quatro anos, a ligação toda estará duplicada. O percurso em pista dupla estará concentrada nas áreas urbanas e nos pontos de serra.

COMPARATIVO – Em quilômetros, São Paulo tem praticamente a mesma quantidade de rodovias duplicadas e de rodovias pedagiadas. Não é coincidência. Foram concedidos à iniciativa privada trechos que já estavam duplicados ou que obrigatoriamente precisavam receber esse tipo de obra.

Já no Paraná a disparidade entre a quantidade de pistas duplas e de rodovias concedidas é bem grande: 2,8 mil quilômetros são administrados por empresas e menos de mil quilômetros são duplicados. “São Paulo sempre teve essa pujança de fazer projetos grandiosos. Muitos foram feitos pelo governo estadual de lá”, comenta João Chiminazzo Neto, diretor regional da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR).

Cenário bem diferente teve o Paraná, sem a destinação de grandes volumes de recursos federais ou estaduais para a realização de grandes duplicações por um longo período. Chiminazzo avalia que os 20 anos de concessões de rodovias deveriam ser comemorados, porque se “não fosse o Anel de Integração o Paraná não teria alcançado os indicadores econômicos que conquistou”. Para ele, não há uma “necessidade imperiosa” de muitas duplicações, sendo que mais terceiras faixas poderiam tornar o trajeto mais adequado em vários pontos.

O QUE AINDA FALTA – Estão previstos para os últimos quatro anos de concessão do Anel de Integração 110 quilômetros em duplicações, sem contar contornos e terceiras faixas.

EmpresaDuplicaçãotrechoPrazo
Econorte32,2 kmBR-369 (Entr. PR-090 até Cornélio)2021
Caminhos do Paraná32,3 kmTrechos entre o distrito de Relógio (em Prudentópolis) até Guarapuava.2019-2020
Caminhos do Paraná3,4 kmBR-476 - Araucária - Lapa (Perímetro urbano de Mariental)2018
Caminhos do Paraná3,1 kmBR-476 – Araucária – Lapa (diversos trechos)2019
Rodonorte71,4 kmRodovia do Café (diversos trechos entre Apucarana e Ponta Grossa).2018-2021

Fonte: Fonte: CNT, DER-PR e Redação. Infografia: Gazeta do Povo.

 

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves

LEIA POR EDITORIA

Comentários