Cidades

MISSAL

Município inicia uma série de entrevistas de reflexão sobre o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

“Precisamos trabalhar a prevenção”, afirma a Secretária de Assistência Social, Rosani Fappi na primeira entrevista

O dia 18 de maio é marcado como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes e em consequência, no mês de maio são realizadas atividades alusivas a data. Devido a pandemia, não está sendo possível os eventos presenciais, como ocorria nos anos anteriores com peças teatrais para apresentar o tema de forma lúdica aos alunos da rede municipal e Estadual de Educação.

No entanto, para não deixar a reflexão de lado, pois, ela se faz importante e necessária, a Administração Municipal de Missal, em parceria com a Rádio local (Nativa FM) está com uma série de entrevistas para abordar o tema e conscientizar, principalmente os pais e familiares, para que fiquem atentos aos sinais deixados pelas crianças e adolescentes.

A Secretária de Assistência Social, Rosani Fappi, foi a primeira entrevistada, na manhã de terça-feira, dia 11 de maio, e falou principalmente da Rede de Proteção existente no município para situações de abuso e exploração sexual. Se engana quem pensa que no município de Missal estas situações não ocorrem, elas são mais presentes que podemos imaginar.

A rede de proteção envolve vários setores, entre eles a própria secretaria de Assistência Social, a Secretaria de Saúde, de Educação, Cultura e Esporte, o CRAS, o Conselho Tutelar, a polícia Civil e Polícia Militar. Os representantes se reúnem para os encaminhamentos necessários de casos mais graves e são os que atuam mais diretamente em situações de abuso e exploração sexual, as decisões sempre ocorrem de forma conjunta.

Rosani enfatiza que o objetivo é trabalhar a prevenção. “Os pais devem orientar os filhos, monitorar o celular, computador, saber quem são os amigos, evitar deixar os filhos dormir na casa de amigos, parentes, vizinhos. A prevenção começa assim”, orienta a secretária. “A educação faz a parte dela, orientando as crianças e adolescentes quanto às situações de sexualidade, com linguagem própria e adequada a faixa etária”, acrescenta.

“Todos nós temos um papel enquanto cidadão, proteger e defender as nossas crianças e adolescentes e toda vez que houver suspeita de algum tipo de abuso, denuncie”, suplica a secretária Rosani. As denúncias podem ser feitas de forma anônima. Entre em contato com a polícia militar, polícia civil, conselho tutelar, para que tomem as providências cabíveis. “Questões de abuso viram um trauma para o resto da Vida”, finaliza Rosani.

Comentários