C

Comentando

O desgaste de Tite ao convocar a seleção para amistosos

PUBLICIDADE

E o assunto é, outra vez, a seleção brasileira e o calendário de jogos. Estou sendo repetitivo, pode até ser. Mas convenhamos, de que vale esses tais amistosos que, se não ganha, a mídia desce o sarrafo. Se ganha, não fez mais do que a obrigação.

Essa tal data Fifa, onde o Brasil fez dois amistosos jogando em Cingapura, foi exclusivamente para atender aos interesses de patrocinadores. E isso tem provocado um grande problema. Interesse comercial acima dos interesses técnicos. E nem sempre os adversários tem uma qualidade técnica boa.

Não foi o caso de Nigéria e Senegal. Mesmo assim, dois jogos e dois empates. E um desgaste do técnico Tite, que está incomodando o treinador.

Ao convocar jogadores de clubes brasileiros, Tite enfrenta a ira dos dirigentes, que não estão querendo mais liberar seus atletas para jogos dessa natureza, sabendo que estão disputando competições importantes.

É o caso do Flamengo: teve o jovem talento Reinier convocado, mas a diretoria não o liberou. Ou como disseram, “o atleta não se apresentou na segunda-feira”. Resultado disso: o comando técnico teve que chamar outro atleta. O caso aqui é para a seleção sub-17. Mas pode ser comparado com a seleção principal. Atualmente uma gama muito grande de jovens talentos estão despontando no Brasil, que faz com que o treinador Tite passe a observar esses talentos e convocá-los para a seleção principal.

E aí começa o problema. Das 18 convocações feitas na temporada, Corinthians e Grêmio tiveram quatro atletas nas relações. Essa situação está deixando Tite incomodado. O treinador precisa desempenhar seu papel, o problema é que os clubes começam a discutir essa relação e não querem mais ceder seus atletas para amistosos sem interesse técnico, mas de muito interesse comercial. E dois desses convocados para os amistosos, sequer entraram em campo. Convocados foram, porém não jogaram um minuto sequer. Então, que tipo de observação técnica é essa?

Comentando

Por: João Hermes

Radialista e cronista esportivo do Jornal Mensageiro desde 1985.

Comentários