Economia e Negócios

RECORDE

Paraná registra aumento na produção de grãos e colheita deve superar 35,6 milhões de toneladas nesta safra 

Segundo a Conab, crescimento no estado deve ser de 4,9% em relação à safra 2020/2021. Brasil deve registrar recorde na produção de grãos, com 271,4 milhões de toneladas



 
O Paraná deverá registrar um aumento de 4,9% na produção de grãos na safra 2021/2022, em comparação à safra anterior. Os dados fazem parte do 11º Levantamento da Safra de Grãos, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado neste mês.
 

O estado deverá produzir 35,606 milhões de toneladas de grãos nesta safra, contra 33,941 milhões de toneladas registradas em 2020/2021. Os dados apontam, ainda, que houve um aumento da área destinada ao cultivo das graníferas levantadas no estado, passando de 10,339 milhões de hectares em 2020/2021 para 10,694 milhões de hectares em 2021/2022 (crescimento de 3,4%).
 

Além da área cultivada, o Paraná deverá registrar um leve aumento na produtividade média. Segundo a Conab, serão 3.330 quilos colhidos por hectare nesta safra, um crescimento de 1,4% em relação aos 3.283 quilos por hectare da safra anterior.
 

O estudo demonstra que o Brasil terá uma produção recorde para a safra 2021/2022, com 271,4 milhões de toneladas de grãos. Trata-se de um volume 6,2% maior do que o colhido em 2020/2021, o que significa 15,9 milhões de toneladas a mais na produção, já que a safra anterior colheu 255,5 milhões de toneladas de grãos.
 

O 11º Levantamento da Safra de Grãos da Conab mostrou também que a produção da safra 2021/2022 teve um ganho considerável em quatro das cinco regiões brasileiras. O maior salto percentual foi observado no Nordeste, onde o volume deve ser de 27,540 milhões de toneladas de grãos, tendo uma variação de 16,2% a mais do que na safra anterior.
 

O percentual no Nordeste é praticamente o mesmo da Região Centro-Oeste, que saltou de 117,371 milhões de toneladas na safra 2020/2021 para 136,194 milhões na safra 2021/2022, um aumento de 16%.

A Região Norte, com um aumento estimado de 15,4% em comparação com a safra 2020/2021, também contribuiu para que o Brasil pudesse alcançar neste ano um número recorde na produção de grãos e deverá colher 14,127 milhões de toneladas nesta safra.
 

A Região Sudeste foi outra que obteve ganho expressivo. A produção registrou aumento de 12,7%, saltando de 24,091 milhões de toneladas em 2020/2021 para 27,149 milhões de toneladas em 2021/2022.

O recorde de produção de grãos da safra 2021/2022 no Brasil teria sido ainda maior se não fossem as variações climáticas. Em novembro do ano passado, quando as áreas das culturas de primeira safra já estavam definidas e as condições do clima vinham ocorrendo dentro dos padrões ideais, previa-se uma produção total de grãos em 291,1 milhões de toneladas, o que corresponderia a um crescimento de 13,9% em relação à safra anterior.
 

Milho é destaque com expressivo aumento na produção
 

O milho ocupa papel de protagonista no cenário nacional, com produção estimada de 114,7 milhões de toneladas para essa temporada, sendo 31,7% superior ao produzido em 2020/2021. A primeira safra de 2021/2022 está com a colheita sendo finalizada, já o milho de segundo ciclo está em fase de colheita e o de terceira ciclo teve o plantio finalizado em julho.
 

O clima seco e quente registrado em julho favoreceu o avanço da colheita da segunda safra de milho 2021/2022 na maioria das regiões produtoras, passando de 70% da área semeada, que alcançou 16,37 milhões de hectares. A área semeada é 9,2% superior ao da safra 2020/2021 e é a maior área já registrada para o cultivo do cereal no período.
 

Com mais de 90% da área já colhida e com a melhor média de produtividade do país, alcançando o rendimento de 6.338 quilos por hectare, Mato Grosso é o estado mais adiantado nos trabalhos relativos à colheita do milho na segunda safra. A produtividade média nacional esperada para esta safra é de 5.339 quilos por hectare, 31,8% superior à da safra 2020/2021.
 

Outros grãos
 

A principal colheita de grãos no Brasil vem da soja, com uma produção estimada de 124 milhões de toneladas. A colheita já está concluída, e apesar do enorme volume, houve uma redução de 10,2% na produção, resultado de uma severa estiagem observada no Sul do País no final de 2021 e início de 2022.
 

Além do milho, o algodão e o feijão tiveram aumento na produção levando-se em conta a safra 2020/2021. Para a pluma, a produção estimada é de 2,74 milhões de toneladas, 16% superior à safra passada. A finalização da colheita está prevista para setembro.
 

O feijão tem produção total estimada de 3,05 milhões de toneladas, 5,3% superior à safra anterior. Desse volume, 1.813 mil toneladas são de feijão-comum cores, 576,4 mil toneladas de feijão-comum preto e 656,9 mil toneladas de feijão-caupi.
 

O primeiro e segundo ciclos de feijão cultivados nessa safra já estão com a colheita concluída. Já o cultivo de terceiro ciclo está iniciando a colheita.
 

Para o arroz, a produção está estimada em 10,8 milhões de toneladas e a colheita já está concluída.
 

As graníferas de inverno, como aveia, canola, cevada, centeio, trigo e triticale (cereal híbrido resultante do cruzamento entre o trigo duro e o centeio) estão em campo, apontando, até o momento, produção recorde, podendo chegar a um pouco mais de 11 milhões de toneladas. Operações de colheita já começaram, principalmente para o trigo no Centro-Oeste.
 

Outros produtos, como amendoim, gergelim, girassol e mamona, também tiveram aumentos expressivos quando comparados à 2020/2021. O gergelim saltou de 56,7 mil toneladas para 98,1 mil toneladas em 2021/2022, um aumento de 73%. A mamona passou de 27,4 mil toneladas para 43,7 mil toneladas (variação positiva de 59,5%) e o amendoim total saltou de 596,9 mil toneladas para 746,7 mil toneladas (25,1% a mais). Já para o girassol, a produção na safra passada foi de 36,2 mil toneladas e subiu para 40,8 mil toneladas (12,7% a mais) nesta safra.

Secretaria Especial de Comunicação Social


Você conhece a Agência Brasil da EBC? Lá você encontra as últimas notícias do Brasil e do mundo, além de informações sobre políticas públicas e serviços prestados pelo Governo Federal. A Agência Brasil mantém o foco no cidadão e prima pela precisão e clareza das informações que transmite, optando sempre pelas fontes primárias. Por se tratar de uma agência pública, o conteúdo por ela disponibilizado pode ser utilizado, gratuitamente, por outras agências, TVs e rádios do Brasil e do mundo, inclusive por você! Acesse aqui a Agência Brasil.

Para obtenção de sonoras de rádio, acesse o link

Para obtenção de vídeos, acesse o link

A reação positiva nos preços dos grãos em período de colheita é um incentivo para os produtores no momento que ele mais precisa.

Comentários