Especial

preservação

Escolhidos os nomes das oncinhas do Refúgio Biológico de Itaipu

As oncinhas do Refúgio Biológico Bela Vista (RBV), mantido pela Itaipu Binacional, em Foz do Iguaçu (PR), já foram batizadas: Arapuá e Jataí. Os nomes, que representam espécies de abelhas nativas da região, foram escolhidos pelos empregados e empregadas, jovens aprendizes e estagiários da binacional.

 

A votação e os nomes foram ideia da equipe que cuida dos animais. A lista tinha cinco opções, todas homenageando abelhas nativas: Arapuá, Tubuna, Manduri, Jataí e Borá. “A indicação de nomes das abelhas para as oncinhas tem como intenção reconhecer a importância desses insetos no contexto das interações ecológicas, contribuindo para o processo de educação ambiental”, explicou o veterinário do RBV, Pedro Teles.

Ao todo, 238 pessoas participaram da escolha. Cada pessoa podia votar em até dois nomes, um para cada filhote. Arapuá foi o preferido do público, com 130 votos, e Jataí o segundo lugar, como opção de 99 respondentes, apenas seis votos à frente de Borá (93).

As duas oncinhas são gêmeas melânicas (pretas) e se parecem muito com a mãe, Nena. Elas nasceram em 29 de novembro do ano passado, concidentemente no Dia Internacional da Onça-Pintada, e crescem saudáveis, pesando aproximadamente 9kg. Quando adultas, elas poderão chegar a pesar em torno de 70kg.

Visitação

Os filhotes recém-batizados vivem com a mãe no recinto aberto à visitação no RBV. É possível conhecer essa família de quarta a segunda-feira, em passeios guiados por meio do Complexo Turístico Itaipu. Os ingressos podem ser comprados pela internet (www.turismoitaipu.com.br), com horários são agendados previamente.

Além das onças, o visitante passa ainda por outros espaços e conhece diferentes espécies sob os cuidados da equipe do refúgio, como antas, veados, jacarés e aves diversas, entre outros.

Conservação

A Itaipu, por meio da sua Divisão de Áreas Protegidas, trabalha com a conservação de onças-pintadas desde 2008. O Refúgio Biológico recebe animais que são apreendidos em criadouros ilegais ou que são encontrados machucados e sem condições de seguir na natureza.

Já nasceram no Refúgio seis filhotes, quatro fêmeas e dois machos. O objetivo, segundo Pedro Teles, é aumentar a variedade genética de indivíduos em cativeiro no país, buscando, no futuro, contribuir para a soltura de espécimes de volta à natureza.

Sobre o Refúgio Biológico

O Refúgio Biológico Bela Vista está inserido em uma área de 1.780,9 hectares, na margem brasileira de Itaipu. O espaço reúne hoje uma grande diversidade de espécies da flora e da fauna regional, muitas delas ameaçadas de extinção, e tornou-se um posto avançado da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (título concedido pela Unesco) por reunir pesquisa, conservação e educação.

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, 2,9 bilhões de MWh. Em 2022, foi responsável por 8,6% do suprimento de eletricidade do Brasil e 86,3% do Paraguai. A empresa tem como missão “Gerar energia elétrica de qualidade com responsabilidade social e ambiental, contribuindo com o desenvolvimento sustentável no Brasil e no Paraguai.”

Comentários