Especial

AMOR PELOS BICHANOS

No Dia Mundial do Gato, saiba os cuidados essenciais que devemos ter com os felinos

O Dia Mundial do Gato é “comemorado” anualmente em 17 de fevereiro. Esta data foi criada por uma instituição italiana, com o objetivo de ajudar a promover uma campanha contra os maus tratos aos gatos e incentivar a adoção consciente. E para ilustrar essa data importante, conversamos com duas pessoas que são fãs de gatos; e com uma veterinária sobre os cuidados que devemos ter com os bichanos.

PUBLICIDADE

Os animais de estimação sempre dão um jeito de demonstrar toda a gratidão, amor, carinho e confiança para com seus donos. Com os bichanos não é diferente: os gatos também mostram a nós o quanto são felizes ao nosso lado… E nós também ao lado deles.

Muitas vezes esse amor pelos animais vem de família, passa de pais para filhos. Como é o caso da Giulia Zulze, que tem a mãe gateira e herdou o amor pelos gatos desde a infância. “Quem não gosta e adota um, se apaixona e não larga mais. Foi o que aconteceu quando o Bono Vox chegou no nosso apartamento em agosto do ano passado. Uma amiga nossa deixou o gato no apartamento por um final de semana… E ele não saiu mais de lá”, contou Giulia.

Giulia Zulze herdou da mãe o amor pelos gatos

Da mesma forma, Cristiane Anderson Gonçalves recordou que sempre teve animais de estimação quando morava em Medianeira, e o amor pelos gatos sempre falou mais alto. “Mudei para Itaipulândia, adotei outros gatos, minha filha Sarah Vitória Gonçalves Schmidt (na foto com o Shimi e Sasuke) nasceu e o gosto pelos bichanos parece que foi transmitido pelo DNA. Hoje temos três (Shimi, resgatado em 2019; Sasuke em outubro do ano passado após ver uma publicação no Facebook sobre adoção responsável; e o Pedrinho, adotado em novembro do ano passado no Jardim Florença de Medianeira)”, destacou Cristiane.

Sarah Vitória Gonçalves Schmidt, na foto com o Shimi e Sasuke, nasceu com o gosto pelos bichanos

Palavra de especialista

Os gatos são vistos como animais independentes, que não demandam muito tempo de atenção. Afinal a melhor relação que um animal pode ter com o seu dono é de amor, carinho e companheirismo. Tudo isso é conquistado com cuidadosdiários e se fortalecem quando o animal é saudável.

A médica veterinária da Clínica Animed, pós-graduada em Medicina Felina, Marcele Caetano Lamin, falou sobre alguns cuidados que devemos ter com um gato domesticado. “Se você quiser chegar em casa, ser recepcionado e dar carinho, o primeiro passo é limitar o acesso à rua; pois eles correm o risco de serem atropelados, arranjar confusão com cães, serem envenenados por vizinhos mal intencionados ou que não gostam dos felinos. Domiciliado, tem em média cinco anos de vida a mais do que os gatos de rua”, pontuou

Também há uma série de mitos e verdades que os brasileiros ainda propagam na sociedade. “Há um pensamento muito antigo de que os gatos gostam da casa e não do dono. Na verdade gato é tão apegado ao dono quanto o cão. A partir do momento que aprendemos a lidar com o seu comportamento, haverá maior proximidade entre humanos e gatos. Todos os gatos podem contrair doenças, mesmo que nunca tenham colocado uma pata do lado de fora da casa; pois são expostos a germes suspensos no ar ou que vêm das roupas do dono”, comentou Marcele.

GATO PRETO DÁ AZAR? – A superstição teve origem na Idade Média, quando se acreditava que os felinos de cor negra, devido a seus hábitos noturnos, tinham parte com o demônio. E no imaginário medieval, o gato preto tornou-se tão inseparável da mítica figura da feiticeira quanto a vassoura voadora.  Apesar de alguns brasileiros acharem que gato preto dá azar, nem todos os países pensam da mesma forma. Pessoas de alguns lugares da Ásia, Inglaterra, Grã-Bretanha e Irlanda acreditam que ele traz sorte. E essa crença é tão antiga que a deusa da fertilidade, da mulher e da divindade solar, Bastet, era representada em partes por um gato preto no Egito Antigo.

Comentários