Maisa Responde

Como escolher as melhores roupas para ficar em casa? – Parte I

Que o home office é o novo normal para muita gente, isso já não é novidade. Mas, o que muita gente não sabe, é o que levar em consideração para escolher as melhores peças para trabalhar de casa, aliando conforto sem abrir mão do estilo. Afinal, não é porque estamos em casa que devemos ficar o dia inteiro de pijama, não é mesmo?

Então, papel e caneta na mão, pois essas dicas são de utilidade pública e serão um excelente guia para as suas próximas compras (feitas em casa, por favor!).

A primeira coisa a levar em consideração para escolher os melhores tecidos para ficar em casa é a composição da peça. Essa informação pode ser encontrada na etiqueta e descreverá o percentual e tipo de fibras presentes na roupa. Comercialmente, as fibras são classificadas como naturais, artificiais e sintéticas e, dentro dessas classificações, as fibras mais recomendáveis tecidas sozinhas ou misturadas são: algodão, liocel ou tencel, poliamida e elastano. No caso de peças com mais de uma fibra na composição, prefiram peças que possuam maior percentual de algodão ou liocel em detrimento das demais fibras.  Se tiver um pouquinho de elastano melhor ainda, pois trará um pouco mais de elasticidade à peça. Mas, atenção, o ideal é que a roupa tenha entre 2 a 8% de fibra sintética em sua composição e que esse percentual não ultrapasse 25%, pois a peça pode esquentar demais e não ser respirável, trazendo um desconforto térmico ao uso.

O segundo fator a se levar em consideração é a construção do tecido, que pode ser feito de malha ou tecido plano. O tecido plano é construído do entrelaçamento do fio de trama e de urdume, os quais, juntos, formam um ângulo de 90º entre si, proporcionando um tecido rígido, resistente à utilização e à lavagem e duradouro. Por sua vez, a malha, em virtude de ser constituída de laçadas, estica mais, proporcionando maior mobilidade e flexibilidade e, consequentemente, acaba sendo a construção mais adequada para peças domésticas.

O terceiro ponto é a modelagem da peça, sendo mais ajustada ao corpo ou mais solta. O ideal é escolher peças com modelagens mais larguinhas as quais irão proporcionar maior conforto e mobilidade. Mas, caso opte por peças mais justas, certifique-se de escolher peças que também tragam conforto e mobilidade, tais como as calças de academia, por exemplo.

E, por último, prestar atenção quais são as características adicionadas à peça por meio de acabamentos químicos têxteis. Com a tecnologia do beneficiamento têxtil, é possível adicionar uma série de características que são super bem vindas ao tecido. No caso de peças para ficar em casa, escolha roupas com acabamentos antiamassamento, antissuor e antiodor, facilitando a manutenção dessas peças em seu dia-a-dia.

Bom pessoal, essas foram as dicas que eu quis compartilhar com vocês nessa semana. Se tiverem alguma dúvida ou sugestão de pauta, não deixem de me contatar. Vejo vocês na próxima dica!

Maisa Responde

Por: Maisa Silvestre

Maisa Silvestre, engenheira têxtil com especialização em gestão empreendedora e engenharia de produção, cofundadora da marca de roupas reversíveis Realma e apaixonada por moda, viagens, vida saudável e faça você mesmo.

Comentários