N

Nosso Povo

Confiança e trabalho em maquinários agrícolas

PUBLICIDADE

Natural de Urussanga (SC), Hari Rossi veio com seus pais morar num sítio em Santa Terezinha de Itaipu quando tinha 10 anos. “Era puro mato, derrubávamos com machado, foice e serrotinho para construir alguma empresa ou residências – era tudo trabalho braçal”, relembra Hari.

Morando no campo, teve seu primeiro contato com a agricultura na prática, começando a trabalhar com maquinários agrícolas numa oficina em Santa Terezinha de Itaipu. “Eu era bem novo, tinha 17 anos. Com eles, trabalhei por seis anos e aprendi mecanização na lavoura. Em 1977, entrei na Concessionária Nacional Tratores, que revendia tratores Ford em Foz do Iguaçu e fiquei por três meses. Nesse tempo, abriram filial em Medianeira, me convidaram para trabalhar aqui e fiquei 11 anos na empresa; prestando atendimento em Serranópolis do Iguaçu, Missal, Santa Helena, Matelândia, Céu Azul e Diamante do Oeste. Foi ali que adquiri experiência e comecei a gostar da profissão”, afirmou Hari.

O tempo passou e surgiu a oportunidade de criar a própria empresa e, a partir de 1988, construiu a oficina: Mecânica Agrícola Rossi. “Durante três ou quatro anos, trabalhei sozinho; chegou um momento que eu não dava conta do serviço e contratei mais pessoas para trabalhar comigo. Hoje, só trabalho com tratores de pneus. Mas, quando comecei a empresa, mexia com todas as linhas de máquinas, colheitadeira, tratores, pulverizadores e implementos; saia mais para o campo prestar atendimento”, completou.

Ao relembrar sobre o trabalho ontem e hoje, Hari enfatizou: “No início, era bem difícil porque não existia tecnologia e as máquinas eram mais simples. Hoje, o trabalho exige mais da pessoa pelas rápidas mudanças tecnológicas, exige mais conhecimento, que as máquinas fiquem prontas o mais rápido possível para a lavoura não parar, requer mais experiência e maior proximidade com clientes e parceiros. Como em qualquer outra profissão, você deve estar ciente que nunca aprendeu o suficiente e deve repassar seu conhecimento aos colegas e futuros profissionais”.

Passados 50 anos de profissão, Hari demonstra muita satisfação pela confiança e credibilidade no trabalho. “Sempre procurei trabalhar para ter um bom rendimento, que os clientes ficassem satisfeitos com o meu serviço, conquistando mais espaço no mercado e todos vestissem a camisa. Tenho cinquenta anos de profissão, sinto-me realizado, gosto do que eu faço e, enquanto eu estiver disposto e com a saúde boa, continuarei trabalhando e atendendo os clientes das cidades circunvizinhas”, concluiu.

PUBLICIDADE

LEIA NOSSAS COLUNAS

Nosso Povo

Por: Tanner Rafael Gromowski

Formado em Letras português/espanhol pela UDC Medianeira, pós graduado em Língua Portuguesa pela FAG Cascavel, trabalha como repórter e redator desde 2013 no jornal Mensageiro.

Comentários