N

Nosso Povo

Em uma terra ‘desconhecida’

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves

A Coluna Nosso Povo desta semana fala sobre a jovem Angélica Grön de 24 anos, natural de Kalmar (Suécia) que fez intercâmbio em Medianeira entre os meses de setembro e dezembro; convivendo com o casal de empresários Nérisson Leonhart e Sonia Capelini Leonhart; ajudados pela sua filha Julia Capelini Leonhart. Frequentadores da Igreja Luterana, que está localizada em frente ao Colégio Estadual João Manoel Mondrone, a vinda da sueca ao Brasil foi possível através do Programa de Intercâmbio Jovens na Igreja Mundial – que envolve troca de experiências e culturas entre Suécia, Filipinas, Costa Rica, Tanzânia e Brasil.

Angélica começou a participar da Igreja Luterana de Santa Birgitta com 14 anos, quando conheceu o Programa de Intercâmbio pela internet. Com o tempo ela decidiu se inscrever e foi selecionada para vir ao Brasil. “Nas primeiras semanas de estadia, morei com uma família na pequena cidade de Santa Maria de Jetibá no Espírito Santo; e depois, fiquei em Medianeira por seis semanas na casa dos pais da Júlia”, relembrou Angélica. A intercambiária confirma que foi uma experiência única conhecer o Brasil. “Aprendi muito sobre a cultura e os brasileiros. Um dos propósitos mais importantes desse programa é justamente fazer novas amizades e conhecer o que vocês faziam no dia a dia – sendo na igreja, trabalho ou em momentos de lazer. E eu notei que há muitas diferenças culturais de quem mora no Espírito Santo e em Medianeira”, explicou.

A maior dificuldade encontrada pela sueca foi justamente o fato da maioria dos brasileiros não saberem comunicar-se em inglês. “Mesmo com dificuldades, muitos tentaram conversar comigo nesse idioma, mesmo sem conhecer bem”. Sobre esse contato com os brasileiros, a jovem enfatizou: “Amei o jeito de ser das pessoas! Fui muito bem recepcionada, vocês são muito acolhedores e calorosos. Já no meu país, as pessoas são mais reservadas e é preciso algum tempo para elas confiarem em você. E quando conquistam a confiança, são seus amigos paras sempre”, confirmou.

Um pouco antes de Angélica fazer intercâmbio no Brasil, a medianeirense Julia Capelini Leonhart intercambiou na Suécia entre os meses de fevereiro e maio. “Neste período, brasileiros e moradores de outros países visitam a Suécia; e entre Setembro e Dezembro, os suecos visitam os outros quatro países para ter essa experiência de conhecer novas culturas”, explanou Júlia.

Além de conhecer a cultura diferente, outra grande experiência foi o contato com a neve em típico inverno europeu; além da tradição dos jovens, ao completarem 18 anos, saírem de casa. “É um costume que eles aprendem desde os primeiros anos escolares. E após terminarem o Ensino Médio, é comum os jovens saírem de casa e buscarem independência financeira, apoiados tanto pelos pais quanto pelo governo sueco – que colabora temporariamente com essa vida adulta de aprender a se virar sozinho”, declarou a jovem medianeirense.

E nesse intercâmio, ambas as jovens elaboram um miniprojeto para apresentar sobre algum ponto que chamou a atenção nessas visitas aos países. Angélica visitou algumas organizações/instituições no Brasil para fazer um trabalho sobre Direitos Humanos das Mulheres; e Julia falou sobre o Fica (intervalo diário de uma hora no local de trabalho para tomar café, relaxar e conhecer as pessoas que trabalham juntas). Os trabalhos foram apresentados em Curitiba e Angelica retornou ao seu país de origem nesta terça-feira (04).

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves

LEIA NOSSAS COLUNAS

Nosso Povo

Por: Tanner Rafael Gromowski

Formado em Letras português/espanhol pela UDC Medianeira, pós graduado em Língua Portuguesa pela FAG Cascavel, trabalha como repórter e redator desde 2013 no jornal Mensageiro.

Comentários