N

Nosso Povo

O Direito passado de mãe para filho

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves
Hoje, Vitor Hugo Della Pasqua integra a equipe da Bogo Advocacia

“Meu contato com a área jurídica começou cedo, pois minha mãe Nadir Della Pasqua trabalhava num cartório. Baseado nisso, acabei conhecendo seu trabalho, me interessei e fiz a graduação em Direito”. O autor dessa frase é o advogado medianeirense Vitor Hugo Della Pasqua (mais conhecido como Guti), nosso entrevistado desta semana na Coluna Nosso Povo.

Quando começou a exercer a função de advogado, Vitor Hugo relembra como era trabalhar em Medianeira e Foz do Iguaçu. “Logo que me formei, trabalhei num convênio do município com o Estado. Porém, após três meses, o Convênio não foi renovado. E como eu já atendia muitos clientes que não tinham condições de arcar com as despesas processuais, continuei esse trabalho mesmo sem remuneração. Por acaso, o prefeito na época, Elias Carrer, soube que eu estava atendendo de graça, conversou comigo e acertou que pagaria certa quantia mensal. Era pouco, mas valeu a pena, porque aprendi muito e adquiri experiência baseada no atendimento a pessoas carentes”, ponderou.

Nesse meio tempo, Vitor Hugo decidiu prestar concurso, passou para o Cartório de Registros Públicos de São Miguel do Iguaçu, e posteriormente, transferido para Medianeira. “Durante cerca de 20 anos, exerci funções nas partes Registral e Notarial, que abrangia desde os bens patrimoniais de pessoas físicas, empresas e entidades – ajudando medianeirenses e moradores da região”, disse Della Pasqua. Guti não se desligou da área jurídica, pois também trabalhou por muitos anos como Juiz Leigo, ainda quando foi inaugurado o Juizado Especial Cível em 1995 no município. “Eu era um juiz não concursado, mas trabalhei sob a responsabilidade de um Juiz de Direito. Fazia as audiências com as testemunhas de acusação e defesa, intermediava os acordos; e, em caso de não acordo, tomava as decisões com as sentenças, homologadas pelo Juiz de Direito”, explicou.

Após quase duas décadas, pediu para sair do Cartório. Porém, para a sua surpresa, foi novamente convidado para atuar como advogado associado na Bogo Advocacia, recentemente apresentado a convidados em coquetel realizado no escritório. “É um grande desafio, pois fiquei muitos anos afastado da advocacia; e o Direito é uma área em constante mudança nas leis. Até porque, quando eu a exerci, não havia toda essa informatização; tudo era mais demorado na confecção de documentos, até o resultado favorável ou contrário do processo. Portanto, após conhecer o modus operandi, decidi que estava na hora de retornar como advogado”, comentou.

Pela vasta experiência no ramo de Direito, Vitor Hugo Della Pasqua também traçou um paralelo entre o ontem e o hoje na advocacia. “Hoje a informação é muito maior para qualquer cidadão, mas a importância do profissional é a mesma de sempre, porque trabalhamos com direitos individuais. Se você atua na área Cível, muitas vezes lidará com o bem de uma pessoa; podendo ser o único bem que terá durante toda a vida, fazendo com que o advogado defenda essa causa. Por isso que nosso trabalho é tão importante, tanto no passado quanto hoje”, concluiu.

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves

LEIA NOSSAS COLUNAS

Nosso Povo

Por: Tanner Rafael Gromowski

Formado em Letras português/espanhol pela UDC Medianeira, pós graduado em Língua Portuguesa pela FAG Cascavel, trabalha como repórter e redator desde 2013 no jornal Mensageiro.

Comentários