N

Nosso Povo

Portas que se abriram na pandemia

PUBLICIDADE

Em meio à crise que fechou muitas empresas, algumas portas se abriram, principalmente de atividades realizadas em casa, é o caso da nossa entrevistada dessa semana da coluna Nosso Povo, que fez da sua paixão por plantas um negócio rentável, que cresceu em plena pandemia.

Joice Beatriz Wieczorek, mãe de três filhos, moradora do Bairro Condá, nasceu em Capanema, mas criou raízes em Medianeira há mais de 20 anos. Ela nos contou um pouco da sua história desde quando morava com os pais no sítio. “Sempre gostei de plantas, desde menina toda casa que morei sempre teve muitas plantas, era um caminhão de mudança só pra elas, mas não sonhava e nem achava que um dia fosse trabalhar com isso”, comenta.

Joice sempre trabalhou com vendas, teve comércio e paralelo a isso fazia artesanatos que aprendeu com sua mãe. Começou pintando bonequinhos de barro, depois pensou em juntar esses bonequinhos com as suculentas que já tinha em casa e certa vez foi convidada a participar da Feira do Dia das Mães, realizada anualmente no Bairro Condá. Foi ali a primeira vez que apresentou seu trabalho ao público, e foi um sucesso. Depois começou a receber encomendas de pessoas querendo mudas com o artesanato. Quem já lhe conhecia vinha até sua casa e aos poucos acabou deixando de lado a outra profissão e focando só nas plantas.

Há cerca de dois anos e meio a paixão virou ganha pão, hoje ela trabalha com uma vasta variedade de suculentas, arranjos em xícaras, rosa do deserto, mini-jardins, além de folhagens, samambaias, orquídeas, vasos de barro entre outros. Por incrível que pareça, o negócio prosperou em plena pandemia. “Foi algo de Deus, porque nesse ano que passou as coisas engrenaram e hoje já importo até mudas de outros estados”, conta a empresária.

Quem quiser saber mais sobre seu trabalho pode acessar no Facebook: Quintal das Plantas, ou entrar em contato pelo  WhatsApp (45) 99807-5516,  ou visitar a loja na Rua Krao 1907, Bairro Condá – Medianeira.

Nosso Povo

Por: Tanner Rafael Gromowski

Formado em Letras português/espanhol pela UDC Medianeira, pós graduado em Língua Portuguesa pela FAG Cascavel, trabalha como repórter e redator desde 2013 no jornal Mensageiro.

Comentários