C

Comentando

Em nome da seleção brasileira, os clubes sofrem desfalques em momentos cruciais

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves

O sorteio talvez não seja lá o melhor critério, mas é sem dúvida, o mais democrático, Assim também é na Copa do Brasil. A CBF definiu por sorteio a ordem dos jogos para a fase semifinal da Copa do Brasil e Corinthians e Cruzeiro decidirão as semifinais em seus respectivos domínios. O sorteio colocou o segundo jogo dos duelos em São Paulo e Belo Horizonte, respectivamente. Assim, Flamengo e Palmeiras jogam a primeira em casa, no dia 12 de Setembro com o jogo da volta no dia 26.

Mas aí aparece um problema. Tite convocou jogadores de três das quatro equipes que estão na fase semifinal da Copa do Brasil. Ora, são amistosos para que? Cumprir compromissos com patrocinadores? Empresários?

E tem sido assim. Em nome da seleção brasileira, os clubes sofrem desfalques em momentos cruciais. Seja em pleno campeonato brasileiro ou competições paralelas.

Alguns até ameaçam não liberar, mas os clubes podem sofrer sanções da Fifa caso não deixem seus jogadores irem para a seleção.

Mas o que se questiona, é o que vai acrescentar esses amistosos contra Estados Unidos e El Salvador, nos dias 7 e 11 de setembro?

Mal terminou uma Copa do Mundo, em que o time e toda a Comissão Técnica foi questionada e lá vem dois amistosos sem sentido algum. E contra adversários que podem acrescentar o quê? Nada.

Tudo serve para apenas uma coisa: criar problemas para os clubes, que fazem de tudo para superar suas dificuldades, em que pese os problemas de gestão, e acabam tendo desfalques em competições que não param pelo fato de que a seleção fará seus amistosos.

Por outro lado, alguns clubes que estão nas chamadas fases quentes, ou mata-mata de competições importantes, não conseguem adiar sua participação em uma ou duas rodadas no brasileirão pois a CBF não concorda. E o futebol brasileiro continua assim.

PUBLICIDADE

Anuncie - Naves

LEIA NOSSAS COLUNAS

Comentando

Por: João Hermes

Radialista e cronista esportivo do Jornal Mensageiro desde 1985.

Comentários