Especial

CAMPANHA

Minha história com a Copa

É ANO DE COPA DO MUNDO! E quem é que não tem uma boa história para contar sobre os Mundiais? O encontro do amor da sua vida, o nascimento de um filho, uma trapalhada, uma lembrança boa…

Como o nosso objetivo é sempre contar boas histórias, em parceria com a Aristides Calçados Esportes, lançamos a Campanha “Minha história com a Copa”.

Isso mesmo, a sua história pode aparecer nas nossas redes sociais e ficar eternizada nas páginas do jornal impresso.

Além disso, as 10 melhores histórias ganham uma garrafinha personalizada.

Entre em contato conosco pelas redes sociais ou Whatsapp ((45) 99986-0119), eternize o seu melhor momento em um Copa do mundo e ainda ganhe um brinde personalizado!

Valdir Henrique Brod, locutor, foi o primeiro a contar a sua história sobre as Copas do Mundo, no Jornal Mensageiro impresso e também nas nossas redes sociais

Valdir Henrique Brod esteve na nossa redação contando a sua história com Copa

“Leitor assíduo do semanário Mensageiro, achei interessante essa oportunidade de contar um pouco a minha história com a Copa. Não há como negar, em tempo de Copa, nos jogos do Brasil, tudo para e acompanhamos a equipe canarinho.

A minha atenção é tamanha com o assunto que resolvi escrever e encadernar tudo que anotei, das mais diversas Copas.

Tenho lembrança de ter ouvido pelo rádio algum jogo da copa de 1974, o início da transmissão pela TV da Copa de 1978 na Argentina, a Tragédia do Sarriá na Espanha em 1982, a eliminação nos pênaltis para a França no México em 1986, a lambança de eliminação para Argentina em 1990 com jogada de Maradona e gol de Caniggia.

A Copa que quero comentar é da Copa de 1994 nos Estados Unidos, ano em que nasceu a minha bebê, Fernanda, em 25 de junho, e o jogo que quero comentar é Brasil x Holanda. Ganhamos com um gol de falta do lateral esquerdo Branco, que chutou de longe, passou pela barreira, Romário encobriu com o corpo e o goleiro aceitou. Vibrei com a Fernanda que estava no carrinho de bebê com menos de um mês de idade e toda família que estava na sala.

Anos depois, tive a oportunidade de ver e ouvir o lateral Branco na Lar Cooperativa. Falei com ele, relembramos aquele gol e a foto foi um remember da sua comemoração, pois ele correu e apontou o dedo indicador para frente, as câmeras captaram esse momento, e pude repetir com ele aquele gesto. ‘Sempre em frente, para frente é que se anda, se conquista as vitórias!’, disse ele, me explicando a emoção do gol naquela partida.”

Valdir Henrique Brod

Comentários