N

Nosso Povo

Laços que se fortificam através do tempo

Ao completar 50 anos, o Jornal Mensageiro, além das bodas de ouro, celebra laços que foram formados através do tempo, ao longo desses anos de trabalho. Um bom exemplo disso é a senhora Gessi Teló Seffrin, uma das primeiras assinantes e que mantém viva ainda hoje a parceria com o amigo das quintas-feiras.

Uma vida dedicada a educação, assim podemos abreviar a trajetória de Gessi Teló Sefrin, professora aposentada, que tivemos o prazer de conversar e conhecer um pouco da sua história.

Dona Gessi é de família pioneira em Medianeira, nasceu em 12 de julho de 1942, em Encantado/RS. Filha de Luiz Teló e Sencina Locatelli, foi casada com Mário Seffrin (in memoriam), é mãe da Marecí esposa de Márcio (MJ7) que a presentearam com as netas Gabriele e Emanuele. Uma família de treze irmãos que geraram frutos importantes como o cantor Michel Teló que é seu sobrinho. Ela veio para Medianeira em 1970 após a vinda dos irmãos Nadir e Aldoir (pai do Michel Teló), em 1969.

Ainda no Rio Grande do Sul, Gessi estudou em Escola de Freira (Internato), também atuou como professora concursada por três anos, além de trabalhar em uma escola do interior, na época chamada de “Brisoletas”, referência ao presidente da época Leonel Brisola. “O Brisola dava muita atenção à educação, revolucionou a educação no interior, com a criação das brisoletas, escolas com período integral, bolsas de estudo, eram escolas pequenas no tamanho, mas muito bem cuidadas. Ali nós éramos professoras, merendeiras, faxineiras, fazíamos de tudo um pouco e assim foi por três anos, a beira do Rio Guaporé, que hoje junto com o Rio Taquari, fizeram muito estrago nos municípios de Rio do Sul e Encantado, devido às enchentes”, relembrou a professora.

Além de ser uma das primeiras assinantes do Jornal Mensageiro, ela também tem uma história de ligação com os fundadores do Jornal: Mirtis Maria Valério e Edemar Bolsi. “A Mirtis é minha conterrânea de Encantado, morávamos cerca de 5km uma da outra, estudamos no mesmo colégio lá, quando eu estava saindo, ela iniciou o magistério. Depois já em Medianeira também lecionamos no Colégio Mondrone. Meus pais eram amigos da Família Bolsi e vieram juntos para Medianeira após um incêndio destruir o moinho que era o meio de sustento da família. Certo dia, meus pais vieram para cá para visitar meus irmãos que já estavam aqui e conversaram com a Secretária de Educação da época, que estava procurando professores para trabalhar na cidade, foi então que resolvi vir para Medianeira pela oportunidade de emprego”, relatou Dona Gessi.

Em 1970 ela tomou posse como professora, primeiramente em uma escola em Jardinópolis (Serranópolis do Iguaçu), onde trabalhou por três anos. Lecionou também em Medianeira nos Colégios Olavo Bilac e João Manoel Mondrone, onde se aposentou com 28 anos de trabalho dedicados à educação.

Ela fez questão de destacar que é assinante do Jornal Mensageiro desde o seu início: “O Mensageiro foi o primeiro meio de comunicação da cidade naquela época, era o nosso jeito de se manter informado, e até hoje nós temos o jornal como um parceiro de vida, com assuntos que só saem no Mensageiro. Eu só tenho a parabenizá-los pelos 50 anos de trabalho, dedicação e sucesso. Desejo que o jornal continue forte por muitos anos, um empreendimento que faz muito bem para o nosso povo. Tenho guardado em minha casa com muito carinho recortes do jornal que marcaram a minha vida e da minha família”, finalizou Gessi.

Dona Gessi exibe com alegria o companheiro de longa data

Nosso Povo

Por: Douglas Florêncio

Técnico em design gráfico e fotografia pelo Sesc/PR. Colunista esportivo, há mais de 10 anos trabalhando em jornal e outras mídias.

Comentários