N

Nosso Povo

O artesanato como ganha pão

PUBLICIDADE

Quem entra na casa da Maria José Rodrigues Martins, moradora do Bairro Condá em Medianeira, nota que há pinturas em todos os cômodos; todas produzidas por ela, que trabalha com artesanato há mais de 30 anos. “Desde criança eu gostava de fazer pintura em tecido, mas tudo mudou quando tive apenas uma aula com uma vizinha e assim continuei no passar do tempo. Fui pesquisando como outras pessoas trabalhavam, lendo revistas, aprimorei meu trabalho sozinha e esse é meu ganha pão há 20 anos”, comentou Maria José.

Mas a oportunidade de aprimorar pintura em tela surgiu após receber um folheto sobre cursos com a Daine Chibiaqui no Ateliê. “No início achei que seria impossível fazer algo tão chique, ter aulas com uma profissional de renome. Era uma época bem difícil que eu tinha poucos recursos para expandir meu trabalho, mas eu tinha muito interesse em aprender. Tanto que o primeiro quadro que pintei eu não tinha tinta, usei somente coloral; as cores verdes usava folhagem do fundo do lote. Como pincel, eu usava brochinha de palha. E passados 20 anos, ainda frequento as aulas da Daine”, relembrou a artesã.

E as opções de artesanato não param… Maria José começou a fazer tiarinhas para bebês, bonecas de pano e, com a ajuda do esposo José Maria, também fazem restauração de Imagens, cadeiras e ferros de passar roupa antigos. “A pandemia chegou e não havia muitas opções de fazer trabalhos para fora, por isso ampliamos nosso leque. Espero que tudo passe logo para, em breve, fazermos uma feira do artesanato aqui no Condá”, disse.

A artesã também confirmou que dá aulas de pintura em tecido três vezes por semana, porém, por causa da pandemia, está retornando aos poucos. “Era voltado mais para os idosos, mas tive que parar por causa do coronavírus. Mesmo reiniciando, por enquanto as aulas são apenas para as crianças, como a pequena Ana Clara de cinco anos; tomando todos os cuidados com a saúde”, comentou Maria José.

Maria José enfatiza que se sente realizada em fazer artesanato e ensinar outras pessoas: “Faz bem para a alma, para o bolso e para o coração, é uma terapia e ajuda a combater a tristeza. É algo que leva sua imaginação para bem longe. Tanto que, às vezes, estou tão concentrada na arte que, alguém quer conversar comigo e acabo nem atendendo a pessoa. Se não tivesse serviço em casa, eu levantaria logo cedo e faria meu artesanato até altas horas da noite”.

Quem estiver interessado em fazer curso de pintura em tecido ou adquirir algum trabalho, basta ligar (45) 3264-7468 ou 99965-5548.

Nosso Povo

Por: Tanner Rafael Gromowski

Formado em Letras português/espanhol pela UDC Medianeira, pós graduado em Língua Portuguesa pela FAG Cascavel, trabalha como repórter e redator desde 2013 no jornal Mensageiro.

Comentários